4 etapas para tratar rugas, linhas finas e pele ressecada

Toda vez que trabalhamos a musculatura da face de maneira mais intensa – principalmente naquelas pessoas que têm uma força de expressão dinâmica acentuada – as linhas finas e rugas podem se demarcar. “Além disso, dois dos principais culpados por acelerar o processo de envelhecimento da pele são a exposição solar e os produtos avançados de glicação (AGEs). Os AGEs se formam quando a molécula de glicose (açúcar) reage com as proteínas do organismo. Isso gera a glicação que, somada ao excesso de radicias livres produzidos por má alimentação e outros hábitos como tabagismo e privação do sono, leva o organismo ao estresse oxidativo, que danifica o DNA das células provocando menor atividade celular, menor produção de colágeno e fibras elásticas, menor atividade de células de defesa e menor poder de cicatrização”, explica a cirurgiã plástica Dra. Beatriz Lassance, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, do American College of LifeStyle Medicine e do Colégio Brasileiro de Medicina do Estilo de Vida.

SIGA O RG NO INSTAGRAM

Mas calma, o tratamento não tem a ver com evitar expressões e se tornar uma pessoa “sem vida”, sem graça.

De acordo com o cirurgião plástico Dr. Mário Farinazzo, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), com cuidados diários como hidratação, proteção solar e hábitos saudáveis, é possível postergar em 5 a 10 anos a evolução de rugas. No entanto, segundo o médico, com hábitos de vida ruins, as rugas mais profundas que deveriam aparecer após os 40 ou 50 anos podem surgir antes.

“Além dos raios solares que degradam as proteínas de sustentação da pele e envelhecem o tecido cutâneo, sabemos que o cigarro causa grandes danos para o surgimento das rugas profundas. Ele prejudica a circulação de sangue na pele e, com isso, dificulta tanto a chegada de nutrientes como a liberação de toxinas. É como se fosse uma horta pouco irrigada que seca e produz poucos alimentos”, diz o cirurgião plástico.

“Também sabemos que o momento do sono é restaurador para a pele e para outros órgãos do corpo. Quando não dormimos direito não permitimos que as células sejam renovadas e os radicais livres eliminados. Isso tudo prejudica o aspecto da pele e predispõe o aparecimento de rugas”, acrescenta o Dr. Farinazzo. Mas as etapas de tratamento são mais fáceis do que parece, basta ter disciplina:

Fotoproteção – Embora seja a última etapa da rotina de cuidados com a pele, a fotoproteção é o ponto mais importante para evitar as rugas e começar a tratá-las. “O filtro solar é vital para a prevenção do câncer de pele – mas também para manter a pele jovem, firme e elástica. Devemos ter o hábito do uso regular do filtro solar: ele é o creme antienvelhecimento mais importante”, afirma o dermatologista Dr. Daniel Cassiano, da clínica GRU e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

A fotoproteção deve ser diária, com produtos de no mínimo FPS 30 para fototipos 3 e 4 (peles mais escuras), e uma fotoproteção de 50 nos fototipos 1 e 2 (peles mais claras). Segundo a farmacêutica Maria Eugenia Ayres, gestora técnica da Biotec Dermocosméticos, esse protetor pode contar com a associação de um sistema antiox com Alistin (proteção do DNA e proteínas), OTZ 10 (proteção contra o calor e radicais de espécies reativas de oxigênio, nitrogênio e carbono) e ProShield MDC (proteção da luz visível e poluição). “Ele potencializará a ação do filtro fortalecendo o sistema endógeno e melhorando a resiliência da pele”, afirma.

Hidratação – Assim que surgem as primeiras marcas, para ter uma pele bem cuidada, é necessário lembrar da pirâmide de tratamento, cuja base é a hidratação, além da fotoproteção. Nessa hidratação, um dos elementos mais importantes é o uso do ácido hialurônico. “O ácido hialurônico de baixo peso molecular vetorizado com silício Hyaxel é capaz de manter a questão da elasticidade e resistência da pele, além de promover a auto-hidratação”, explica a farmacêutica. Essa substância deve ser utilizada conjuntamente com antioxidantes como resveratrol, alistin, ascorbosilane C, superox c, arct-alg, vitamina E, o ácido ferúlico e principalmente a fotoproteção.

“Essa hidratação pode ser na forma de séruns, de fluidos, de loções sem gordura para peles oleosas; ou se for uma pele mais madura, essa hidratação deve vir na forma de cremes, de leite, de loções com lipídeos e fosfolipídeos, que formem uma segunda barreira de proteção sobre a pele”, diz Maria Eugênia.

Tratamentos noturnos – À noite, os ácidos, como retinóico, glicólico, ou produtos com blends de alfa-hidroxiácidos e beta-hidroxiácidos, podem ser utilizados. “Os alfa-hidroxiácidos (AHAs), por exemplo, são clareadores, reparadores e suavizantes. Os beta-hidroxiácidos (BHAs) são melhores para peles oleosas e com tendência acneica e têm propriedades antibacterianas. Também existem os menos conhecidos poli-hidroxiácidos (PHAs), com características semelhantes aos alfa-hidroxiáciados, porém como apresentam moléculas maiores trabalham apenas na camada mais superficial da pele”, explica Cassiano. Ou seja, eles vão esfoliar a pele, melhorando o turn-over (renovação) celular, fazendo com que as células cheguem mais oxigenadas às superfícies. “Esse tratamento noturno pode ser alternado com overnight repair, nutriomega 3, 6, 7 e 9, oligomix e outras substâncias nutritivas”, explica.

Nutracêuticos – Investir nas cápsulas também pode ajudar, uma vez que o tratamento de dentro para fora costuma otimizar os resultados. Hoje, segundo a nutricionista Luisa Wolpe Simas, consultora de nutrição integrada da Biotec Dermocosméticos, existem muitos ativos que melhoram a qualidade da pele via oral, dentre eles: In.Cell, que fornece um gama importante de proteínas e nutrientes para hidratar e reequilibrar a pele, Exsynutriment e Bio-Arct, que estimulam o colágeno e Glycoxil, que combate os efeitos do açúcar na pele.

Em paralelo, os tratamentos em consultório também podem ser utilizados para melhorar a qualidade da pele. Uma das novidades é o rejuvenescimento ultrafracionado, modo de tratamento revolucionário e exclusivo do Pico Ultra 300. O procedimento faz uma varredura na pele, segundo a dermatologista Dra. Letícia Bortolini, dermatologista membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia: “Diferentemente dos outros lasers de picossegundos, é possível com o comprimento de onda 532nm eliminar os sinais de fotodano, que são os causados pela radiação solar crônica, como pigmento acastanhado e vermelho, que vemos principalmente na poiquilodermia, condição em que há uma combinação de atrofia da pele, aparecimento de vasos e hiperpigmentação”, explica a médica.

“Nesse tipo de fotodano, além das hiperpigmentação, o envelhecimento ocorre pela desnaturação e redução de fibras elásticas e colágenas, então Pico Ultra 300 promove uma reorganização dessas fibras, além de aumento da produção dessas proteínas de sustentação da pele”, explica Letícia. A grande vantagem, segundo a médica, é o rejuvenescimento sem downtime ou com mínimo incômodo por pouco tempo. “Hoje as pessoas não querem e não tem tempo para ficar vermelhas ou descamando em casa. Além disso, o tratamento não dói, mas ainda é possível aplicar anestésico tópico antes para pessoas mais sensíveis”, conta. No geral, são feitas três sessões, sendo uma a cada 30 dias, mas podem ser feitas mais vezes, dependendo da indicação.

Por fim, é importante lembrar que, segundo pesquisas, 80% do envelhecimento é relacionado ao estilo de vida e o resto tem a ver com a genética. E nesse caso, é necessário ter hábitos saudáveis: “Dormir de sete a oito horas por noite, seguir dieta magra rica em proteína, muita água para se manter hidratado de dentro para fora e, como muitas vezes percebemos dificuldades do organismo de algumas pessoas em absorver todos os nutrientes que consomem, suplementos com silício, peptídeos, aminoácidos, e biotina são fundamentais e devem ser orientados por um especialista”, finaliza a farmacêutica.